Douro Verde uma terra fértil de histórias

Um mergulho na literatura

Mais uma viagem para conhecer os encantos de Portugal, desta vez para uma região fértil não só na terra e sim de muitas e muitas histórias, o Douro Verde conseguiu arrancar suspiros e me encantar mais ainda no país dos meus antepassados. É uma região riquíssima de história e cheia de personagens que, com certeza, você conhece! Afinal já ouviu falar de Eça de Queiroz, né? Ou da famosa Carmem Miranda?? E de Serpa Pinto ou Egas Muniz? Heimmm??

Não está entendendo direito, certo? Pois bem, então embarque agora conosco por uma viagem INCRÍVELLL! E eu já te conto onde eles vão entrar nessa história. Essa viagem aconteceu de uma forma inusitada. Desde o Brasil eu conhecia a Flávia. Ela com o Visite Comigo e eu com o Cris pelo Mundo, fazemos parte da mesma Rede de Blogueiros Brasileiros de Viagens.

Já estou em Portugal há quase um ano e ela mora na região do Douro Verde, foi então que surgiu o convite para conhecer esse pedacinho de Portugal. Passeamos por Marco de Canaveses, Cinfães, Baião e Resende, agora aguardem pois tenho certeza que vão ficar de queixos caídos! A Flávia, muito atenciosa conversou com parceiros incríveis como o alojamento que ficamos, Casa Senhora da Silva, e o pessoal dos Caminhos de Jacinto, que montaram com muito carinho todo este roteiro.

Nosso ponto de encontro foi na Estação de Aregos, em Baião e onde fica a sede dos Caminhos de Jacinto.


Os Caminhos de Jacinto


A sede fica em um enorme galpão ao lado da linha de trem de Aregos, em Baião.

Na sede vimos quadros de Eça de Queiróz, Serpa Pinto e Egas de Moniz, fomos apresentados a um pouco das histórias locais, e nos contaram o porquê das três figuras representadas com destaque. Egas de Moniz; O “Aio Fundador”, Serpa Pinto, que atravessou a África defendendo interesses portugueses e trazendo contribuições inestimáveis para botânica e zoologia e claro Eça de Queiroz, quem se encantou e se inspirou tanto com a região que a eternizou em um de seus livros.

Em seguida uma mesa nos esperava com as famosas cavacas de Resende e mais histórias foram apresentadas. Ficou curioso? Então assiste o vídeo: null


Ué, mas o que são as cavacas? São como bolos deliciosos cobertos de calda de açúcar cristalizado. Bem, reza a lenda, que na época das pestes um casal teve que adiar seu casamento, e com isso o bolo que já estava feito iria ser jogado fora. Como tudo era muito caro naquela época, tiveram uma ótima ideia de fazer a calda de açúcar para poder conservar o bolo e foi assim que as cavacas foram inventadas, rs. Neste momento eu notei que muiiita coisa legal estava por vir, a conversa que seria rápida rendeu horas e nosso roteiro que deveria começar as 10, já estava atrasado em uma hora!

Corre que temos que conhecer o Mosteiro de Santo Andre de Ancede!

Mosteiro de Santo André de Ancede


Saímos da Sede do Caminhos de Jacinto e fomos direto ao Mosteiro, onde a Rita estava a nossa espera para nos surpreender a cada porta.

O Mosteiro em si é lindo, porém confesso que o que me surpreendeu mesmo, foi a Capela do Senhor do Bom Despacho.

Uma tímida Capela octogonal que se você não souber o que há por dentro, ela pode passar despercebida. Porém quando Rita abriu as portas, UUUAAAUU! Notei que ali havia um verdadeiro TESOURO de Portugal! Obras muitos detalhadas e riquíssimas do barroco português. Naquele momento fiquei paralisada e só sabia contemplar. O teto, o altar, as paredes e todos os momentos da vida de Jesus estavam representados ali.

Porém não acabaram as surpresas por ali, mais portas seriam abertas junto com nossos queixos, rs.

Continuamos andando até chegar às ruínas do antigo Mosteiro do Século XVII, Emmanuel amou brincar dentre as ruínas e ver a ENORMME chaminé da antiga cozinha medieval.

Ei, mas pera aí, falando em cozinha, hora do almoço! Corremos dois séculos até chegar à Casa do Lavrador, que também é um Museu etnográfico.

Heim? Vocês almoçaram, no passado?? Calmaaa que eu vou explicar.

Casa do Lavrador


A Casa do Lavrador retrata fielmente a casa dos camponeses do Séc XIX e inícios do Séc XX, almoçar neste local vai muito além de uma deliciosa refeição. Você realmente é transportado para o passado, em um ambiente totalmente aconchegante e sem uma luz elétrica! A comida é toda feita em forno a lenha e as luzes do ambiente vem em sua totalidade de candeeiros de petróleo.

Assim que chegamos a mesa vieram muitas entradas, e lembro como se fosse exatamente agora da crocancia das broas fritas e o sabor das pataniscas! Em seguida vieram os pratos principais, Arroz do forno com anho assado, que para nós brasileiros é o cordeiro.

Vocês não tem idéia de quão suculento e macia estava a carne, com certeza a qualidade do forno faz diferença nesta ocasião.

Quem dera eu, ter um “fogão” em minha casa, rsrs apesar da demora do cozido ser muito maior, o sabor fica muiiito melhor. Para sobremesa, comemos leite creme, ameiii! E finalizamos com o cafezinho que também foi servido de uma maneira tradicional.

Ahhh, não deixe de ir ao banheiro! Esta experiência gastronômica é fechada a grupos, não adianta bater a porta e tentar a sorte, é necessário marcar visita. Consulte aqui, junto ao Caminhos de Jacintos como fazer isso também.

Fundação Eça de Queiroz


Nosso passeio continuou e fomos até a Fundação Eça de Queiroz, eu estava tão ansiosa para conhecer. Quem nunca leu um de seus livros? Tenho certeza que em algum momento da escola, as suas palavras passaram por seus olhos. É muito legal tornar algo que só imaginou ou estudou, em algo físico, eu, pelo menos, amo! Engraçado mesmo, é que ao entrar na fundação, eu soube um pouco mais da vida de Eça de Queiroz e na verdade, apesar de ele ser uma figura muito importante na região, ele nem sequer morou por lá.

Heim? Isso mesmo, a casa que hoje funciona a Fundação Eça de Queiroz, na verdade foi doada à sua esposa Emília por meio de uma herança, e foi em uma de suas visitas que o autor conheceu a região.

Muitas surpresas esperavam Eça de Queiroz em sua vista à região do Douro verde, o que o marcou de tal maneira que ele eternizou em seus livros.

Assim que chegou, nem comida tinha lá, sua carta com aviso da ida, nunca chegou e a surpresa dos funcionários ao ver foi tremenda, assim nem comida tinha para oferecer! Céus, arrumaram algo que até mesmo Eça não gostava de comer, mas a fome era tanta, que ao comer se surpreendeu! Ao ver torceu o nariz, mas era o que tinha e uau, gostou!!! Dali as surpresas não pararam mais, seu peito se encheu de luz e o local ganhou um enorme lugar em seu coração.

É com muita emoção que descreve linhas lindas em seus livros, das paisagens por onde passou. Apesar de nunca ter vivido por lá, você encontra tudo que teve importância na vida do autor na Fundação, sendo enviado diretamente de Paris, onde foi realmente sua morada.

Assistam o video e notem que diferente a questão do quarto e o motivo de ter apenas uma cama de solteiro.

Ou até mesmo como era o passaporte do Eça de Queiroz! A casa é linda e a história do autor não se mistura só na Fundação, vou falar mais a frente de outras coisas que trazem o autor na memória viva do local, pois agora ainda falta mais uma parte do roteiro para finalizarmos o primeiro dia.

Quinta da Covela

Assim que chegamos à Quinta da Covela, nos deparamos com uma mesa cheia de taças nos esperando. Além de biscoitinhos para acompanhar, eu estava muito ansiosa para conhecer o tal do Vinho Avesso.

Eu nuunnnca tinha ouvido falar, mas conheci por lá. As características são únicas da região e misturam o aroma frutado com o amendoado e o floral, um pouco ácido, mas, ao mesmo tempo, refrescante. Só provando para entender! Calma, antes de me empolgar, falar e falar sobre o vinho, vamos apresentar a Quinta.

A Quinta da Covela é conhecida no Douro Verde por sua beleza. Mas não é apenas isso que chama atenção, toda sua produção é de alta qualidade e claro há na sua carta mestre o Vinho Avesso, que me deixou muito curiosa.

Ok, Cris, mas porque falar tanto deste vinho? Bem, você só encontra este vinho exatamente nesta região do Douro Verde onde a Quinta se encontra. Para a vinha ser produzida neste formato, o solo tem de estar em transição entre o vinho verde e o vinho do Douro. Essa faixa do solo é bem pequena e por isso torna o vinho tão único! Adorei conhecer esse sabor, quero tomá-lo mais vezes, mas confesso que o rosé continua sendo meu queridinho.

Fizemos a nossa degustação tarde da noite, mas eu já havia visto o cenário da Quinta da Covela antes.

Sua enorme propriedade nos deixa sonhar longe e nos proporciona bons momentos. Não haveria melhor maneira para terminarmos nosso primeiro dia de passeio. Entretanto estou louca para voltar a Quinta e ver tudinho que ela tem a oferecer, neste lindo local do Douro Verde.

O passeio havia acabado e eu confesso que estávamos bem cansados, hora de irmos para nosso alojamento.

Casa Senhora da Silva


Eu estava super curiosa, eu já tinha ouvido falar muito bem do alojamento, mas não tinha sequer pisado ainda por lá.

Antes, paramos em um restaurante, compramos uma pizza e seguimos para nossa casinha e mais surpresas, será que o coração aguenta?

Uma casa COMPLETA, com uma suíte, mais um quarto e outro banheiro, além de cozinha, sala e um outro andar anexo. Nesse último, mais uma enorme sala com sofá-cama, mesa de jantar, banheiro, sala de jogos e uma deliciosa hidromassagem da qual eu fiquei suuuuuper triste de não poder usar pelo adiantar da hora.

Mas a surpresa não era apenas o lindo alojamento com decoração fofa, e sim uma cesta repleta de mimos, cavacas e até bibelôs personalizados para nos receber.

Detalhe, a hidro estava pronta para uso e quentinha além de tooodo alojamento já estar aquecido nos esperando, é muito amor, não é? Como pode tanto carinho em um só local? Fiquei boba e o Emmanuel maluco com sua coroa, chocolates, bolinha de sabão e tudo mais.

Só tenho a agradecer! O carinho foi tanto que no dia seguinte o pequeno não queria nem sair de lá. Mas depois de uma noite muito bem dormida, com um ótimo banho (tem banheiiira), precisávamos seguir para nosso café da manhã.

Hotel Porto Antigo


Fomos tomar café da manhã no Hotel Porto Antigo, ué? Mas porque tomar café em outro hotel? Simples, além de ser completinho, lá já foi casa do Pai do Serpa Pinto! Anos depois que virou o Hotel Porto Antigo. Lembra que lá no início do vídeo eu falei sobre algumas personalidades? Pois bem, Serpa Pinto foi bem importante para Portugal. Em suas expedições o maior intuito era fazer reconhecimentos das terras por onde passara.

Tempos depois, através do mapa cor-de-rosa Portugal pôde reclamar para si uma vasta região do continente Africano. A história é incrível, mas o café da manhã do Hotel Porto Antigo também e Emmanuel não quis parar de comer seus ovos mexidos.

Conversamos muito ao cenário do Douro Verde, que estava na nossa janela. Eu fiquei encantada com Hotel, entretanto neste momento eu só consigo falar de seu delicioso café da manhã, já que não nos hospedamos por lá.

Todos alimentados, hora de começar nosso roteiro do segundo dia, simboraaa! Entre curvas e subidas, uma parada estratégica.

Ponte da Panchorra

Estávamos seguindo em nossa van confortável dos Caminhos de Jacinto até que… Uma parada estratégica! Saímos e UAU, uma linda Ponte sobre o Rio Cabrum, no conselho de Resende. O barulhinho, a paisagem, todo aquele verde transmitem uma paz que não queríamos ir embora.

Eu estava tão extasiada que nem senti o frio que na altura era perto dos seus 5 graus! Saí correndo para desbravar aquela beleza toda, sentar e sentir aquela energia e quando voltei até a van que notei o quão frio estava por lá.

Engraçado que a Ponte parece ser uma construção romana, e de fato havia um caminho romano por lá, mas estudos mostram que a Ponte é de uma época depois, cujas primeiras referências históricas datam 1258, data provável de sua construção para poder ligar o comércio de povoados vizinhos.

Pausa feita, e o próximo destino nos espera.

Centro interpretativo do Bestança

Fomos conhecer um pouco mais da região do Vale do Bestança, um passeio interativo por todos as estações do ano dentre a fauna e flora. É um ótimo sítio para os pequenos poderem entender melhor o que há por lá. Salas dinâmicas com dizeres bonitos instigam nosso instinto curioso e nos fazem querer ver cada segundo da natureza se transformando pelas estações do ano. Emmanuel ficou horas entre toques e retoques para tentar pegar cada animal que aparecia nas enormes telas interativas, e eu lia falando o que descrevia cada animal.

Foi um passeio super gostoso para agregar conhecimento e entender tudo que havia de vida por lá. Outro ponto muito legal, é que todos que estão de bike ou até de trilha, podem fazer uma parada mais do que estratégica, onde há lugar até para encher seus pneus ou tomar uma água.

Recanto dos Carvalhos

Mais uma vez a conversa é boa demais e o tempo voa! Já passava da hora de almoçar, simbora subir até lá. Fomos até a Gralheira, uma das aldeias mais altas de Portugal. A escolha do restaurante foi, o Recanto dos Carvalhos, uma restaurante muito aconchegante, com comida de comer rezando.

As entradas mais uma vez me surpreenderam, eu poderia passar o dia todo comendo só isso por la!

Emmanuel já chegou pedindo uma pizza, o cheiro da massa estava tomando conta do ambiente e quando a pizza chegou eu agradeci o pedido do meu pequeno. Estava realmente muito boa, com massa bem fininha e crocante.

Será que ainda há espaço para o prato principal? Chegaram dois, Anho assado e Posta a Recanto

Não preciso dizer que provei os dois com MUITO gosto, né?

Didicil escolher um, os dois desmanchando na boca! O sabor era tão bom, que queria ficar ali até o dia seguinte comendo e comendo! Depois de tanto comer, acho que a Posta ganhou, foi o prato que acabei por repetir mais vezes, rs.

Os acompanhamentos estavam temperados na medida, amo alho e ali o sabor incorporou os gostos que pareciam algo único como feitos um para o outro. Eu salivo só de lembrar.

Para sobremesa eu pedi um bolo da casa, doce na medida certa e maravilhoso para fechar a refeição, claro junto um cafezinho.

Dica: Na época de Natal a Gralheira fica toda enfeitada e linda, infelizmente chegamos uma semana mais cedo e não consegui voltar na época natalina, mas em 2019 não me escapa. Depois deste belo almoço seguimos para um local histórico que remonta o nascimento de Portugal.


Mosteiro de Carquere


O mosteiro fica na encosta do Norte do Maciço da Serra de Montemuro, praticamente a vista do Douro Verde. Sua arquitetura é lindíssima e algumas surpresas ainda estão dentro da capela. Atrás do belo altar, existem pinturas que só são possíveis avistar quando se arrasta a parte da frente.

Fiquei encantada e surpreendida!!! Se tem algo que resume essa viagem, é SURPRESA, cada local que pisamos era uma surpresa nova. Ok, mas o que ter a ver com o nascimento de Portugal?? É aí que entra a terceira personalidade que falei no início do texto.

Reza a lenda que Egas de Moniz, levou o Infante Afonso Henriques, ainda muito pequeno ao local para ser curado pela intercessão da Virgem Maria. Egas de Moniz foi Aio do Infante Afonso Henriques, mas o que é Aio? Aio é o encarregado pela educação das crianças de famílias ricas. Egas Moniz foi o fiel escudeiro de Don Afonso Henriques e se é verdade a lenda ou não, depois da visita ao Mosteiro e da intercessão de Virgem Maria, o pequeno de fato ficou curado e virou o primeiro Rei de Portugal, anos mais tarde.

Vimos dali um lindíssimo por-do-sol e a energia do local me contagiou e emocionou, depois de tantos momentos maravilhosos, já estava na hora de seguir para última atividade junto os Caminhos de Jacintos.

Voltamos a Baião, desta vez em uma Termas.


Termas de Aregos


O dia havia sido muito cheio, com atividades incríveis, mas o término do dia seria especial! Fomos conhecer as Termas com direito à massagem com águas termais e um banho relaxante. Além do todo relaxamento, as termas também são reconhecidas pelos seus valores medicinais. Suas águas chegam naturalmente na temperatura de 62 graus.

As Termas de Aregos ficam abertas o ano inteiro, e sua história começa já na Idade Média.

Foi no século XII que a Rainha Dona Mafalda criou uma albergaria para tratamento de várias doenças. Os visitantes têm acesso até hoje a fonte que fica logo na entrada das Termas.

Hoje a Termas de Aregos oferece diversos serviços e eu saí flutuando da massagem com Duchas Vichy! Quentinho, relaxante e uma delícia, só tem um problema.. acaba =( Assim que terminei, encontrei Igor e o Pequeno na enorme piscina de água aquecida naturalmente. Na piscina você encontrará diversas duchas e maneiras de relaxar e se exercitar também.

Hora de me despedir dos Caminhos de Jacintos

Essa foi nossa última atividade junto aos Caminhos de Jacintos, amei cada local que visitamos e todo conhecimento adquirido. Se você curtiu algum deles, não deixe de contacta-los, terão o prazer de te levar para passear também. Veja aqui os passeios e todas as informações.


A nossa aventura no Douro Verde continua


Claro que eu não ia embora sem antes aproveitar MUITO A Casa Senhora da Silva, que não deixa de ser uma atração.

Voltamos à casa e no dia seguinte acordamos com uma bela cesta de café da manhã oferecida pelo 2To Moments, parceiros da casa. Todos que estão no alojamento tem 20% de desconto no 2To Moments, vem frutas, panquecas, geleias e deliciinhas.

Tomamos nosso café da manhã na cama, com uma linda vista do quarto, muito gostoso nosso momento em família!

Ahhhh e antes de irmos embora, resolvemos aproveitar mais um pouco da hidromassagem, que por sinal também tem uma BELA VISTA!

Brincamos, pulamos e não queríamos nos despedir, mas já era hora!

Fomos até o Pianíssimo em Marco de Canaveses, onde encontramos a Flávia para nos despedirmos. Uma verdadeira delícia e mistura de sabores, onde a Suíça e Portugal se encontram, tudo a ver com nosso momento, né? Afinal terça agora embarcamos para um grande aventura e começará justamente conosco saindo de Portugal e chegando ao nosso primeiro destino, a Suíça!!! Ahhhh, mas o que Carmem Miranda tem a ver com tudo isso?? Carmem Mirando, o contrário que muiiiitos pensam, não é brasileira, mas sim portuguesa, nascida em Marco de Canaveses. É uma pena que não deu tempo de ir ao museu que conta essa história, mas com toda certeza eu voltarei! E volto para visitar com a Flávia, todos esses locais, ou melhor para vistar com ela, junto ao Visite Comigo =) Mais uma viagem incrííível! Corrida, mas super gostosa com sabor de quero mais, MUITO mais e quero voltar para ontem. Obrigada à tooodos os parceiros envolvidos, obrigada por me mostrarem esse Portugal maravilhoso.

Nosso roteiro completo pela Região do Douro Verde

Dia 01 Encontro na Estação de Aregos e sede dos Caminhos de Jacinto Mosteiro de Ancede Almoço na Casa do Lavrador – Museu Etnográfico Visita a Fundação Eça de Queiroz

Prova de vinhos na Quinta da Covela

Dia 02 Café da manhã no Hotel Porto Antigo Centro Interpretativo do Bestança Ponte da Panchorra Almoço no Recantos dos Carvalhos na Gralheira Visita ao Mosteiro do Carquere Termas de Aregos


Dia 03 Café da manhã 2ToMomments oferecido na Casa Senhora da Silva

Manhã livre para aproveitar o alojamento Almoço no Pianíssimo


Volta para casa.


Não deixe de nos seguir no Instagram e curtir todas as nossas viagens em tempo real! Em nosso canal do YouTube também tem muiiita dica e viagem legal. E claro por aqui sempre traremos novidades, fique ligado no Cris pelo Mundo

#ondeficar #mosteirodeancende #PORTUGAL #ondeir #oquefazer #ondecomer #MOSTEIRODECARQUERE

Olá, que bom ver você por aqui!

Não deixe de se cadastrar para receber toda as novidades do site!

Fique por dentro de todos os posts

  • YouTube
  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter

Tem dicas, sugestões ou dúvidas? Envie agora mesmo a sua mensagem!

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram